Micro Conto 01 - Capítulo 9 - Penúltimo



O bandido de camisa cinza fez sinal com a cabeça orientando o de camisa preta a soltar as algemas ao mesmo tempo em que colocou um pedaço de papel na frente do computador. Em seguida, veio a anunciada e temida ordem. “Você vai transferir os 500 mil reais que depositaram hoje na sua conta, para esta conta aqui. Agora, vamos!” No primeiro momento Ele suplicou: “por que estão fazendo isso comigo? Por favor, não me peçam isso. Esse dinheiro não é só meu. Tenho sócios que dependem desse dinheiro. Minha família depende desse dinheiro. Por favor, não!“. O de camisa marrom interrompeu: "nós sabemos quem é seu sócio, não estamos nem aí se você ou ele precisam do dinheiro. Faça agora sem questionar!” Sem elementos racionais para contra argumentar, Ele, descontrolado gritou: “não vou fazer! Não vou fazer essa transferência! Tem muita gente que depende desse dinheiro!”. O de camisa cinza deu um pequeno sorriso irônico de reprovação e olhou para o de camisa vermelha: “ele não quer cooperar”. O de camisa vermelha então pegou uma barra de ferro e se dirigiu a Ele. O de camisa marrom intercedeu: ”calma... o que vai fazer?”. O de camisa vermelha olhou para o de cinza pedindo aprovação, e este argumentou com o de marrom: “quando decidimos fazer isso, combinamos que iríamos até o fim”. 


O capítulo 10, o último, será postado amanhã pontualmente às 8:00.

Capítulo 1
Ele saiu da aula de pós graduação no horário costumeiro. Deixou o prédio da universidade, alcançou a rua e se dirigiu até o carro. Tinha parado o veículo mais distante dessa vez, já que, como havia se atrasado na chegada, não haviam mais vagas disponíveis próximas ao prédio da instituição de ensino. A rua ainda estava movimentada: a maioria dos cursos de pós graduação acabavam no mesmo horário, 22h15. A cerca de 10 metros do carro seu celular tocou. Colocou a mão dentro do bolso, pegou o smartphone novo que tinha adquirido a menos de um mês, estranhou o identificador de chamadas constando “número confidencial”, mas imaginando se tratar de algum serviço de telemarketing, atendeu. Do outro lado da linha, uma voz masculina, grave e rouca perguntou se Ele era ele. Ele respondeu que sim e perguntou quem estava ligando. Neste exato momento, chegou ao carro: acionou o botão da chave elétrica e quando colocou a mão na porta, concentrado na voz que falava alguma coisa muito baixo ao telefone, foi surpreendido por um golpe na cabeça, seguido por um empurrão e uma voz dizendo: “vumbora, rapá, entra no carro agora!”

Capítulo 2
Ainda atordoado com a pancada na cabeça e sem entender ao certo o que estava acontecendo, Ele foi empurrado para o banco de trás de seu carro, juntamente com um sujeito de camisa vermelha, enquanto outros dois ocupavam os bancos do motorista e do carona, respectivamente. Todos mascarados. Com um gesto brusco, o sujeito que estava ao seu lado tomou-lhe a chave do carro e passou para o motorista, que deu a partida e ganhou a avenida rapidamente. Recompondo-se, Ele enfim percebeu que o sujeito de trás apontava-lhe uma arma de fogo. Assustado, começou a pedir calma aos sujeitos, oferecendo tudo que eles quisessem: “Calma, gente, calma. Eu não vou reagir. Peguem minha carteira, meu celular e o carro se quiserem. Eu não vou fazer nada...”. De certa forma, ele ainda continuava se sentindo relativamente calmo. Durante os últimos anos os relatos de assaltos, “saidinhas bancárias” e sequestros-relâmpagos tinham se tornado rotina entre familiares, amigos e colegas de trabalho em sua cidade. Toda semana alguém de seu círculo de relacionamento mais próximo era vítima de algum tipo de roubo. Mas então algo aconteceu que lhe deixou claro que aquilo não era um assalto comum.

Capítulo 3
Inesperadamente, o sujeito sentado ao banco carona sacou uma espécie de capuz da mochila e passou para o sujeito de camisa vermelha que sentava ao seu lado. O sujeito de trás pegou o capuz e entregou o revólver para o Carona, colocando o capuz na cabeça Dele, de uma forma, até, cuidadosa. Em seguida, pegou seus braços, juntou-os e os prendeu numa algema que parecia ser de um material plástico ou borracha. Nesse instante, ouviu a voz do Carona falando, provavelmente ao telefone: “deu tudo certo, estamos com ele a caminho da base.” Ele passou a ficar preocupado. Não se tratava de mais um assalto padrão como tantos outros que muitos dos seus conhecidos vinham se tornando vítimas e que estavam tão comuns na sua cidade cada vez mais decadente e abandonada pelo poder público. Quase todos seguiam um padrão: levavam celular, dinheiro, ou no máximo, o carro, mas a integridade física das vítimas permanecia ilesa. Mas aquela sua situação ia demonstrando a cada instante que se tratava de algo diferente. Aos poucos começou a perceber outros elementos que indicavam que Ele poderia estar diante de uma quadrilha mais organizada.
  
Capítulo 4
Envolto naquele capuz, sem conseguir enxergar nada, Ele passou a ligar alguns pontos. Lembrou-se da ligação de número confidencial que recebera no momento em que entraria no carro. Na hora não notou nada de anormal, pois eram relativamente comuns aquelas chamadas, principalmente de empresas de telemarketing. Mas a voz do outro lado, além de não se parecer em nada com a voz de agentes de telemarketing, falou seu nome e depois ficou muito baixa, como se quisesse distrai-lo com o sussurro. Somando-se a isso a aparente educação e forma de falar dos sujeitos, mais correta e formal do que Ele julgava que seria o perfil padrão dos meliantes da cidade. E agora, a peça mais estranha do quebra-cabeça: “vamos leva-lo pra base”. “Meu Deus, do que ele estava falando? Sintonizaram o rádio numa estação de música pop, colocando-o num volume muito alto e seguiram o trajeto todo sem dar uma única palavra. Certamente não queriam que Ele ouvisse sons vindos da rua, que pudessem identificar pontos pelo caminho. Ele até que tentou contar curvas à direita e a esquerda e o tempo que permaneceram rodando, mas acabou se perdendo. Cada vez mais apreensivo e com muito medo do que os próximos minutos lhe reservariam, percebeu que o carro parou. O rádio foi desligado e ouviu a voz do carona dizendo: “Chegamos”.

Capítulo 5
Ele foi levado ainda encapuzado para o interior de uma casa. Tentando ficar atento a todos os detalhes, sentiu cheiro de mato, percebeu que não subiram elevador e ouviu o latido de cachorros ao longe. Dentro da casa, depois de alguns passos, foi colocado numa cadeira quando ouviu uma voz dizer. “OK, pode tirar o capuz”. Ao voltar a enxergar, se viu diante do seguinte cenário: estava num pequeno cômodo, sem janelas ou qualquer outro móvel, além das cadeiras em que seus algozes e Ele próprio sentavam e uma mesinha pequena na qual repousava um notebook. Os marginais estavam todos cobertos com máscaras improvisadas pretas lisas, apenas com o buraco dos olhos e bocas à mostra. Dois deles com armas apontadas para Ele. Todos pareciam vestir o mesmo tipo de camisa básica de algodão: preta, marrom e vermelha eram as dos sujeitos que vieram no carro com Ele. Um quarto elemento se uniu aos outros vestindo a camisa cinza. Cercado pelos meliantes, Ele mais uma vez suplicou: “por favor, não me machuquem. Farei o que estiver ao meu alcance para ajudar vocês”. O de camisa cinza tomou a iniciativa e foi logo dizendo: “se você cooperar estará a caminho de casa, para os braços da sua linda esposa e do seu filho prestes a completar um ano, ‘né isso’, em poucos minutos. E ninguém vai se machucar”.
  
Capítulo 6
Nesse instante Ele ficou gelado. Parecia que tinha tomado um soco no estômago. Linda esposa? Filho prestes a completar um ano? Cada vez mais aquela situação se tornava mais misteriosa e perigosa. Quer dizer que esses caras me conhecem? “Por favor, não façam nada a minha família. Eu prometo cooperar. O que querem de mim? Vocês... Vocês me conhecem?” Ele suplicou em pânico automaticamente, sem conseguir processar direito o que aquela nova ameaça poderia significar. O bandido de camisa cinza, que começava a parecer que exercia uma liderança sobre os demais, disse com a voz pausada e calma: “Nós sabemos tudo sobre você. Sabemos quem é e o que faz e só queremos uma coisa de você: você vai acessar a conta bancária do seu escritório através desse notebook, e vai transferir uma quantia em dinheiro para a conta que vamos te informar. Sem perguntas nem esclarecimentos. Feito isso, você vai para casa.” Ele ficou completamente atordoado... Não acreditou no que acabara de ouvir. “Acessar a conta do escritório para fazer uma transferência?  Justamente hoje?!” Suas mãos começaram a ficar trêmulas e ele não sabia o que fazer. No início da manhã tinha entrado na conta do escritório uma quantia vultosa de honorários advocatícios referente a um dos seus processos mais importantes. “Como eles sabiam disso? Quem são esses caras?”


Capítulo 7
Um dos bandidos passou a teclar no notebook, enquanto Ele tentava pensar rápido em como sair daquela situação. Uma fuga era impossível. Algemado e contra quatro, armados, não teria a menor chance.  Cogitou argumentar que não tinha acesso à conta do escritório ou que não poderia fazer transferências pela internet, mas ficou na dúvida se os marginais já sabiam que seria mentira. Porém, antes que pudesse se pronunciar, o de camisa cinza já foi logo falando: “Não tente mentir, trapacear ou nos enganar. Vamos ser logo objetivos com essa situação: sabemos que você é o único responsável por manipular a  conta do escritório. Sabemos as quantias que costuma transacionar pela internet. Sabemos quanto vocês receberam na conta do escritório esta tarde. E sabemos que é possível realizar a transferência desse valor para a conta que vamos lhe indicar. Portanto, não tente nenhuma gracinha, nem desculpa. Não há outra alternativa a não ser realizar a transferência do quanto e para onde indicarmos. A não ser que você não preze pela sua integridade física, a de sua esposa ou a de seu filho, que a essa altura já devem estar preocupados com a sua ausência no conforto do seu lar, aquele belo apartamento para o qual se mudaram há seis meses”.


Capítulo 8
Ele tinha 34 anos e tinha se formado há 10. Por nunca ter sido um estudante brilhante, nem no colégio nem na faculdade, decidiu não se arriscar em concursos públicos. Poderia ter melhor sucesso na advocacia propriamente dita, já que tinha a sensação de que a ascensão nessa área, não vinha necessariamente da mera aptidão técnica, mas sim de uma boa rede de relacionamentos. E essa era uma de suas qualidades. Porém, os primeiros anos na advocacia não foram fáceis. Apesar de uma habilidade natural em conseguir bons clientes, logo foi percebendo que lidar com o poder judiciário era mais complicado do que imaginava, principalmente no seu estado. Lentidão, desorganização e, sobretudo, corrupção. Ficou surpreso ao se deparar com a desonestidade nos mais altos graus do Tribunal de Justiça; uma realidade que lhe fez até cogitar abandonar a carreira. Porém, como não via uma outra saída, resolveu encarar a realidade como mais um obstáculo para ser superado. Mas apesar da obstinação e das tentativas de se relacionar melhor com autoridades importantes, sua prosperidade profissional não decolava. Até que um fato inesperado mudou sua realidade de advogado mediano para um dos mais requisitados e bem sucedidos do estado. E agora estava diante de 4 marginais que ameaçavam lhe tirar de forma covarde parte valiosa do produto do seu esforço.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

6. Sexta-feira, Sua Linda

POR QUE NÃO TENHO (TANTA) RAIVA DE LULA?

UMA TRAGÉDIA CHAMADA LULA