22. Ponto de Virada


-->
Ponto de virada radical
é possível, difícil e improvável
a expectativa irracional
e a decepção inevitável

novo ano, tudo velho em janeiro
a espuma do champanhe do réveillon
se esvai logo após virar o ponteiro
que anuncia a chegada do ano bom

e as promessas e projetos empolgantes
que fariam do ano novo um ano incrível
se embaralham com a rotina desgastante
e logo viram fogo de palha invisível

mas ano novo pode ser sim novo ano
com um misto de cautela e ousadia
metas viáveis fazem um audacioso plano
pra conseguir alcançar o que queria 
   
Certa vez numa conversa sobre filmes de Almodovar, comentei que, para mim, os filmes dele não tinham nem início nem fim, era tudo "meio". A esposa de um primo que fazia parte da conversa e que acompanha, gosta e já viu muito mais filmes do diretor do que eu, disse, às risadas, que eu tinha dado a melhor definição para os filmes do espanhol que ela já tinha visto.

Aprendi num curso de roteiro de teledramaturgia que me meti há alguns anos, que normalmente o enredo de uma história se desenvolve a partir de um ponto de virada. Funcionaria mais ou menos assim: a história começa apresentando a vida dos personagens dentro de uma estabilidade. Em determinado momento, acontece algum evento que tira os personagens daquela estabilidade, passando a conduzir todos os desdobramentos a partir de então. Passei a observar  e a tentar identificar em cada filme que assistia, quais os pontos de virada que davam rumo à história.  Nos filmes de Hollywood, eles são mais evidentes. Tomando como referência uma história conhecida, imagine que no filme "Titanic", o ponto de virada se daria quando a personagem de Kate Winslet, Rose e Jack (Leonardo Dicaprio) se conhecem.

Através do meu limitadíssimo conhecimento sobre roteiros e enredos, acho que Almodovar apresenta em seus filmes "pontos de virada" mais sutis ou menos tradicionais. A minha impressão é que suas histórias não sofrem uma virada logo no início ou mais explícita: ele apenas vai contando o que está acontecendo na vida dos personagens e encerra o filme sem grandes desfechos. Ou às vezes, os pontos de viradas na verdade aconteceram antes do início do filme - o que destrói a lógica do formato de roteiro que aprendi no curso.

Pois o equilíbrio entre os pontos de viradas tradicionais e a narrativa contínua de Almodovar é a forma que acho que devemos encarar o início de um novo ano.

Muitas vezes, os planos e promessas mais mirabolantes imaginados nos últimos momentos do ano que finda se tornam frustração diante da percepção que no dia 02 de janeiro tudo segue como dantes. Porém, a consciência de que o início do ano novo nada muda de fato, em vez de trazer um esmorecimento na vontade de transformar tudo aquilo que queríamos ver diferente, deve ser o combustível para conseguirmos, dessa vez, ver no mundo real tudo aquilo que idealizamos no mundo das idéias.

Ou seja, vislumbrar viradas radicais demais para o ano que se inicia certamente ensejará um sentimento de decepção ao cair a ficha que a vida segue e nada mudou. Por outro lado, não podemos desconsiderar que o princípio de um novo ciclo traz um poder motivador que pode e deve ser usado como energia para a promoção das transformações que queremos ver em nossas vidas. 

A consciência de que nada muda como num passe de mágica é a senha para projetarmos metas viáveis e desejos possíveis. E assim conseguir aquilo que se ambiciona. Nem tanto Hollywood, nem tampouco Almodovar, portanto.

De qualquer forma, vale a dica de uma citação recorrente em redes sociais, mas que por isso não perde seu sentido lógico e profundo: é mais difícil (e menos inteligente) conseguir resultados diferentes através das mesmas atitudes. Se existe alguma coisa na qual podemos provocar mudanças, é sobre nós mesmos. E assim, quem sabe, transformar o mundo exterior.

Desejo assim que no ano que se inicia, dentro dos limites do que é possível se transformar, possamos desenvolver todos os pontos de virada que vislumbramos para nossas vidas.

Sds,

Hugo

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

POR QUE NÃO TENHO (TANTA) RAIVA DE LULA?

UMA TRAGÉDIA CHAMADA LULA

6. Sexta-feira, Sua Linda